18 de mai de 2009


Assim moro em meu sonho:
como um peixe no mar.
O que sou é o que vejo
Vejo e sou meu olhar.

Água é meu próprio corpo,
simplesmente mais denso.
E meu corpo é minha alma,
e o que sinto é o que penso.

Assim vou no meu sonho.
Se outra fui, se perdeu.
É o mundo que me envolve?
Ou sou contorno seu?

Não é noite nem dia,
não é morte nem vida:
é viagem noutro mapa,
sem volta nem partida.

O céu da liberdade,
por onde o coração
já nem sofre, sabendo
que bateu sempre em vão.


Cecília Meireles
in Canções -1956-

Um comentário:

  1. Parabéns!!!!!!!!!!!!!!
    Tá lindo o seu blog!
    Bela formatação!
    Um abraço...
    Milla

    ResponderExcluir

Muito grata por seu comentário, ele é muito importante para nós!

Seja bem-vindo. Hoje é