18 de mai de 2009


Ribeira da minha vida
por onde agora andarão
meus barcos de ausência e bruma,
com sua tripulação!

Pergunto se estão de volta,
pergunto se ainda se vão.
Ribeira dos meus cuidados,
minha voz é solidão.

Ribeira da minha vida,
por que sinto o coração
morrer-me nestas areias
de antiga recordação?

Hei de ser o mar e o vento,
e a noite, e a constelação,
- ribeira dos meus cuidados! -
e a própria navegação.

Ribeira da minha vida,
hei de mudar de aflição:
não mais despedida ou espera,
mas naufrágio ou salvação.

Cecília Meireles
in:Canções -1956-

2 comentários:

  1. Somos alunos do 9ª A da escola Janete Clair de Rôndonia.
    Nós gostamos muito desse poema. Uma de nossas integrantes descreveu seu blog como extremamente lindo.
    Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  2. olá!
    Somos um grupo de amigos do 9ª A da escola Janete Clair de Rondônia.
    Uma de nossas integrantes descreveu seu blog esxtremamente lindo.
    Parabéns!!!

    ResponderExcluir

Muito grata por seu comentário, ele é muito importante para nós!

Seja bem-vindo. Hoje é