18 de mai de 2009


Abriu-se a janela
que existia no ar.
Ninguém viu pousar
Qualquer sombra nela.

Entre o lago e a lua,
Sozinha subia,
Uma árvore fria,
Delicada e nua.

E, de galho em galho,
Andavam as loucas,
Com cestas e toucas,
Em busca de orvalho.

Azuis, os vestidos,
E o rosto coberto
De um luar incerto,
- com os traços perdidos.

(Certamente para
Que ninguém lembrasse
A dorida face
que amara e chorara...)

As loucas nos ramos
Brincavam. E havia
O ar essa alegria
Que nunca alcançamos.

Pela madrugada,
Desfez-se a janela.
Partiram , com ela,
As sombras do nada.


Cecília Meireles
in: Canções -1956-

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito grata por seu comentário, ele é muito importante para nós!

Seja bem-vindo. Hoje é