29 de mai de 2009

Aparecimento



Divide-se a noite, para que me apareças
e prolongues tua presença entre sonhos cortados.

Vejo o céu que ao longe caminha.
As montanhas respiram a luz das estrelas,
e, na ausência dos homens,

o caule do tempo sobe com felicidade.
Sobre a noite que resvala,
conservo-te imóvel entre meus olhos e a vida.
Penso todos os pensamentos,
e nenhum me auxilia.
E escuto sem querer as lágrimas
que germinam sozinhas,
e seguem sozinhas um subterrâneo curso.

Ah, meu sorriso morreu por tristezas antigas.
Como te hei de receber em dia tão posterior?


Cecília Meireles
in: Mar Absoluto

3 comentários:

  1. Que maravilha esse Blog!cada vez que venho me encanto e fico absorvida pelo poemas de Cecília...em um local tão bom de se estar como esse!

    Um grande beijo,

    Reggina Moon

    ResponderExcluir
  2. "Não sou como a abelha saqueadora que vai sugar o mel de uma flor, e depois de outra flor. Sou como o negro escaravelho que se
    enclausura no seio de uma única rosa e vive nela até que ela feche as pétalas sobre ele; e abafado neste aperto supremo, morre
    entre os braços da flor que elegeu."

    ( Roger Martin)

    Passando para desejar um final de semana com muito amor e carinho.
    Abraços do amigo Eduardo Poisl

    ResponderExcluir
  3. Querido Madalena,

    Passando em visita para te desejar um Bom Dia e convidá-la a retirar um prêmio em meu Blog Verso & Prosa.

    Um grande abraço,
    com carinho!

    Reggina Moon

    ResponderExcluir

Muito grata por seu comentário, ele é muito importante para nós!

Seja bem-vindo. Hoje é