18 de mai de 2009


Dos campos do relativo
Escapei.
Se perguntam como vivo,
Que direi?

De um salto firme e tremendo,
- Tão de além!-
Chega-se onde estou vivendo
Sem ninguém.

Gostava de estar contigo:
mas fugi.
Hoje, o que sonho, consigo
Já sem ti.

Verei, como quem sempre ama,
Que te vais.
Não se volta, não se chama
Nunca mais.

Os campos do Relativo
Serão teus.
Se perguntam como vivo?
- De adeus.


Cecília Meireles
in Canções -1956-

Um comentário:

  1. Madalena,

    Que maravilha ler Cecília por suas mãos!!
    Transforma-se em uma beleza em dobro!!!

    Parabéns, te admiro demais!

    Um beijo!!

    Reggina Moon

    ResponderExcluir

Muito grata por seu comentário, ele é muito importante para nós!

Seja bem-vindo. Hoje é