29 de mai de 2009

Sobriedade


(Ulysses deriding Polyphemus - Homer's Odyssey by John Turner)


Perguntas seculares se levantavam do meu coração:
última planta dos desertos, voz do Enigma...
Ai de mim!

Falei às ondas abundantes: "Dai-me o caminho
embora cercado de pasmo e sombra
por onde foi... - já não por onde veio! - Ulisses!"
Ai de mim!

Pois subiu dentre as águas um vento exíguo,
menos que uma bandeira, que um pássaro, que um lenço...
Passou pelas minhas mãos...Deixou-as... e eu sorri com delícia...
Ai de mim!

Que coisa tênue, a minha vida, que conversa apenas com o mar,
e se contenta com um sopro sem promessa,
que voa sem querer das ondas para as nuvens!


Cecília Meireles
in Mar Absoluto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito grata por seu comentário, ele é muito importante para nós!

Seja bem-vindo. Hoje é