9 de ago de 2011

Adivinhação do personagem

Algum tamanho e peso.
Densidade para as quedas.
No entanto, alguma luz.


As peças anatômicas em seus lugares certos.
Nada porem digno de extrema admiração:
Nem Apolo nem Adônis.
Personagem, porém, personagem.


Olha, vê, não vê, não sabe, não se sabe o que vê e não vê.
Fala, pensa, não pensa, não sabe, nem se sabe, se pensa e não pensa.
Olha, fala.


Move-se.
Ele mesmo não sabe, para onde.
Move-se contraditório
com os pés na terra, mas a cabeça
e num mundo invisível de mil pólos.


Personagem: sente-se, não se sente, não se sabe nem sabe como e por quê.


Pode estar em tantos lugares,
pode ser tantas vidas.
Homem, animal, planta, pedra,
tudo que inventar e quiser.
Poderá ser deus?
Sonha-se.


Personagem de cidades e eras arbitrarias,
com os seus idiomas confusos
em labirintos de idéias, de heranças, de ímpetos.


Ama, desama,
desmonta seus mecanismos, de repente, devagar.
Por quê? Sabe, não sabe, decide, arrepende-se.


Tem lagrimas inesperadas, alegrias –
quando ficar triste? quando vai ser feliz?


Personagem que lembra e esquece querendo e sem querer.


Tem quatro pés, dois pés, três pés.
Depois continua a marchar sem necessidade de pés,
e voa sem ter asas.


Com densidade para as quedas
e presságios de luz.
todos os dias são de êxodo
para um lugar que a Esfinge se esqueceu de dizer.


Permite, dolorido personagem.

1961



Cecília Meireles
In: Poesia Completa
Dispersos (1918-1964)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito grata por seu comentário, ele é muito importante para nós!

Seja bem-vindo. Hoje é