31 de jul de 2012

'Tarde de chuva'

A nuvem negra
é uma outra noite precoce
que chega do Oeste.


As mães chamam pelos filhos
exatamente como se aquela sombra
fosse um exército inimigo.


Os pássaros fogem
por todos os lados
e os jasmins deixam cair
suas brancas estrelas
ao vento que frisa
a água verde do tanque.
As margaridas inclinam-se
tontas, tontas.


Cai uma chuva alegre,
que não apaga o trinar dos pássaros.
O tijolo bebe cada gota,
instantaneamente.


Esta é uma chuva
das que trazem colar de arco-íris.
Esta é uma chuva
dançarina de cristal.
Mas, de repente, o trovão fala, severamente.
E tudo presta atenção.


A nuvem negra
chega do Oeste
e é como a noite,
em plena tarde,
no meu jardim.


E o vento desce
nas margaridas,
e se arredonda
entre as mangueiras
e se desfolha
na leve sebe
e é verde e branco.
9.1.1957



Cecília Meireles
In: Poesia Completa
Dispersos (1918-1964)

2 comentários:

  1. Sou completamente apaixonada por este espaço que é tão bem trabalhado.
    Parabéns. Venho sempre por aqui!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito grata Malu, muito nos honra sua amável presença.
      Grande Abraço
      Maria Madalena

      Excluir

Muito grata por seu comentário, ele é muito importante para nós!

Seja bem-vindo. Hoje é