3 de jun de 2009

Canção



A Norman Fraser


Vela o teu rosto formosa,
que eu sou um homem do mar.
Que há de fazer de uma rosa,
quem vive de navegar?
-se qualquer vento a desfolha,
qualquer sol a faz secar,
se o deus dos mares não olha,
por quem se distrai a amar?

Pela grande água perdida,
anda a barca sem amor,
Cada qual tem sua vida,
uns, de deserto, uns, de flor.
Vela o teu rosto, formosa
que eu sou um homem do mar.
Poupa ao teu cetim de rosa,
o sal que ajudo a formar.


Cecília Meireles
in Mar Absoluto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito grata por seu comentário, ele é muito importante para nós!

Seja bem-vindo. Hoje é