20 de nov de 2009

Improviso



A lua nos nossos ombros
e a sombra que não se encontra
despedaçada no chão.

O resto, passos altivos
nos labirintos do tempo
que não se sabe aonde irão.

Faixas de silencio dobram
sobre os olhos que estão vendo
jardins de recordação.

Deixai que cantem as fontes,
ao menos, sobre esta pedra
que põem no meu coração.



Cecília Meireles
In: Retrato Natural

5 comentários:

  1. Deixai que cantem as fontes...

    Gostei muito do poema.
    cumprimentos!!!

    ResponderExcluir
  2. A musicalidade no léxico e o sentimento intenso do eu poético fazem de Cecília uma voz incontornável da literatura brasileira.

    L.B.

    ResponderExcluir
  3. Esse blog é uma delicia,parabéns...virei fã e seguidora..
    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Minha amada,

    Hoje vim aqui ler as maravilhas de Cecília, muitas ainda não conheço, isso que faz a diferença, a sua capacidade de nos apresentar sempre algo novo...fico encantada!!

    Um grande beijo e tenha uma boa semana!!

    Reggina Moon

    ResponderExcluir
  5. Lindo poema!!!

    "... E de novo acredito que nada do que é
    importante se perde verdadeiramente.
    Apenas nos iludimos, julgando ser donos das coisas,
    dos instantes e dos outros.
    Comigo caminham todos os mortos que amei,
    todos os amigos que se afastaram,
    todos os dias felizes que se apagaram.
    Não perdi nada,
    apenas a ilusão de que tudo podia ser meu para sempre."

    Miguel Sousa Tavares

    Abraços com todo meu carinho.
    Um lindo final de semana com muito amor e carinho

    ResponderExcluir

Muito grata por seu comentário, ele é muito importante para nós!

Seja bem-vindo. Hoje é