29 de dez de 2009

Ano de 2.010!



A todos amigos e visitantes do blogger,
desejo um ANO NOVO pleno de alegrias,
muita Paz, Saúde e Realizações.
Feliz, Ano Novo Cristão, de 2.010!

Maria Madalena

28 de dez de 2009

Antieclesiaste



Chuva nas nuvens,
flores nas arvores,
lagrimas em nós.


Estação de chuva,
estação de flores.
O tempo inteiro para as lagrimas.
Por isso estamos tão extenuados:
todos os tempos foram de chorar.

1949



Cecília Meireles
In: Poesia Completa
Dispersos (1918-1964)

20 de dez de 2009

Pensamento



Nestas pedras, caiu, certa noite, uma lagrima.
O vento que a secou deve estar voando noutros paises;
o luar, que a estremeceu, tem olhos brancos de cegueira:
e esteve sobre ela, mas sem ver seu esplendor.

Só na morte do tempo, os pensamentos que a choraram
verão, junto ao universo, como foram infelizes,
que, uma noite, uma lagrima levou a vida verdadeira,
com seu grito de sonho e seu tímido amor.



Cecília Meireles
In: Poesia Completa
Dispersos (1918-1964)

Poemas



I



Edifica-te:
Longe,
Silencioso,
Só,
Edifica-te admirável,
Com altitudes imensas,
E, para além da humanidade,
Sê grandioso, excessivamente...

Cresce sempre,
Como uma arvore de eterna vida...

Escapa ao que atinge a todos.
Constrói-te para um tempo sem fim,
Que nunca te termine,
Ainda que morras todos os dias!

Sê o infindável,
Feito de renascenças sem termo...

Para lá das amarguras humanas,
Sê o que ficará para consolo e exemplo dos que vierem,
E cujo nome será,
Na terra triste,
Benção imortal para tudo o que vive!...


II


Quando olho para tudo isto que antes foi terra nua,
E que o vento semeou,
Barbaramente,
E que hoje é mata indômita,
Mar negro e farfalhante,
E cheio de feras sombrias,
Fico pensando em mim...

Eu fui à terra fecunda
Onde tudo que o destino deixou cair
Teve força de vida crescente
E poder criador de se multiplicar...


Eu fui à terra nua de uma idade sem data.
E as minhas arvores têm medidas que não param,
Crescendo sempre pelas raízes e pelas frondes...

Mas dentro da minha sombra nunca deslizaram as ferras...
E as próprias arvores de espinhos
Tiveram sempre
Ou resinas consoladoras
Ou frutos doces...


Cecília Meireles
In: Poesia Completa
Dispersos (1918-1964)
(POESIA COMPLETA, organização Antonio Carlos Secchin (2 volumes) Editora Nova Fronteira 2001.)

17 de dez de 2009

Sombra



Os homens passam pelas ruas misteriosas...

Ouvi ecoarem na noite
A sua loucura e o seu pavor...

Os homens olharam para dentro
E viram mistérios...
Os homens olharam para fora
E viram mistérios...

E foram pelas ruas misteriosas
Debatendo-se como pensamentos
Presos em círculos negros...

Agosto, 1927



Cecília Meireles
In: Poesia Completa
Dispersos (1918-1964)

Noite



Úmido gosto de terra,
cheiro de pedra lavada,
- tempo inseguro do tempo! –
sombra do flanco da serra,
nua e fria, sem mais nada.


Brilho de areias pisadas,
sabor de folhas mordidas,
- lábio da voz sem ventura! –
suspiro das madrugadas
sem coisas acontecidas.


A noite abria a frescura
dos campos todos molhados,
- sozinha, com o seu perfume! –
preparando a flor mais pura
com ares de todos os lados.


Bem que a vida estava quieta.
Mas passava o pensamento...
- de onde vinha aquela musica?
E era uma nuvem repleta,
entre as estrelas e o vento.



Cecília Meireles
In: Poesia Completa
Viagem (1939)
Seja bem-vindo. Hoje é