3 de out de 2013

A MULHER E A TARDE




O denso lago e a terra de ouro:
até hoje penso nessa luz vermelha
envolvendo a tarde de um lado e de outro.
.
E nas verdes ramas, com chuvas guardadas,
e em nuvens beijando os azuis e os roxos.
.
Perguntava a sombra: “Quem há pelo teu rosto?”
“Que há pelos teus olhos?” – a água perguntava.
.
E eu pisando a estrada, e eu pisando a estrada,
vendo o lago denso, vendo a terra de ouro,
com pingos de chuva numa luz vermelha…
.
E eu não respondendo nada.
.
Sonho muito, falo pouco.
Tudo são riscos de louco
e estrelas da madrugada…
.
Cecília Meireles
In "Vaga Música", 1942 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito grata por seu comentário, ele é muito importante para nós!

Seja bem-vindo. Hoje é