3 de abr de 2014

A MINHA PRINCESA BRANCA



Estendo os olhos aos mares:
Ela anda pelas espumas ...
Serenidades lunares,
Tristezas suaves de brumas ...

Ela anda nos céus vazios,
Em brancas noites morosas;
Mira-se nas águas dos rios,
Dorme na seda das rosas ...

Passa em tudo, grave e mansa ...
E, do seu gesto profundo,
Solta-se a grande esperança
De coisas fora do mundo ...

Por sobre almas vagueia:
Almas santas ... Almas boas ...
É um palor de lua cheia,
Na água morta das lagoas ...

Quando contemplo as encostas,
De alma ansiosa por vencê-las,
Vejo-a no alto, de mãos postas,
Muda e coroada de estrelas ...

E vou, sofrendo degredos,
A dominar os espaços ...
Só quero beijar-lhe os dedos
E adormecer-lhe nos braços!


Cecília Meireles
In Nunca Mais

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito grata por seu comentário, ele é muito importante para nós!

Seja bem-vindo. Hoje é