15 de abr de 2014

Sonho com carneirinhos e falas meigas




O carneirinho que em sonho
pousa as mãos delicadas
sobre o meu coração:
é o de Blake? é o de Cristo?
Ou o de São João?


Com voz humana fala,
mais que a dos homens humana:
diz que tem fome de pão.
(Oh! A que pão se refere?)
E beija-me na mão.


E eu me sinto pastora
em campo sem horizonte.
Meu campo é só lagrima e resignação.
Que te posso dar, carneirinho meigo
de Blake, de Cristo ou de São João?


Viveremos de fome,
de uma fome encantada
do espírito do ar e do chão.
Em fome nos transcendermos,
ininteligíveis na vigília, irmão. 


Conversaremos em sonho,
tão simples e sobre-humanos,
numa inviolável comunicação.
Pasceremos símbolos, bailaremos glorias
por tempos sem fim de perdão.


1960



Cecília Meireles
In: Poesia Completa
Sonhos (1950-1963)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito grata por seu comentário, ele é muito importante para nós!

Seja bem-vindo. Hoje é