7 de jul de 2014

Até quando terás, minha alma, esta doçura



Até quando terás, minha alma, esta doçura,
este dom de sofrer, este poder de amar,
a força de estar sempre – insegura – segura
como a flecha que segue a trajetória obscura,
fiel ao seu movimento, exata em seu lugar...?


Fevereiro, 1955 


Cecília Meireles
In: Poesia Completa
Dispersos (1918-1964)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito grata por seu comentário, ele é muito importante para nós!

Seja bem-vindo. Hoje é